Inspire-se!

Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de repente, você estará fazendo o impossível.

São Francisco de Assis

.........................................................................................................

sábado, 31 de outubro de 2015

I'm Bleeding Out

 

Naquela noite
Eu vi seus olhos
Provei teu beijo
Eu enfraqueci.

Naquela noite
Eu queria mais
Corri atrás
Eu fiquei.

Naquela noite
Senti teu corpo
Senti teu calor
Eu enrubesci.

Naquela noite
Fui teu
Teu beijo foi meu
Eu sorri.

Naquela noite
Fui feliz
Fui amado
Eu amei.

Na manhã seguinte
Acordei e percebi
Que naquela noite
Apenas sonhei
Eu chorei.

“If I run to you will you hold me in your arms forevermore?”*

 _______________________
*Third Day. If I run to you. Trecho.
 

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Límpido

 

Minha cabeça se agita
 Com o som dos risos do futuro que encosta.
O tempo que passa
Felizmente lava e leva o que for preciso.

Sentindo como se nenhuma dor fosse forte o bastante.
Ouvindo os passos do passado cada vez mais distantes
Eu abraço tão forte o presente que sinto seu coração vivo.
E se eu sonhasse ou cantasse ou escrevesse...

Meu peito vibra como luzes de natal.
A voz quer dançar e o corpo quer cantar.
Os membros se agitam
Com a melodia do presente em harmonia com o futuro.

Sentindo como se nenhuma flor fosse murchar.
Ouvindo os pássaros do passado alçarem voos longínquos.
Eu sorrio tão docemente que sinto o peito regozijar.
E se eu voasse ou gritasse ou escrevesse...

Os olhos se banham
Nas luzes do dia que acorda feito criança
Puro, alvo, iluminado.
E se iluminam
No reflexo do espelho d’água que corre livremente.

Sentindo como se nenhum amor fosse acabar.
Ouvindo as batidas ritmadas do peito inflado de contentamento.
Sorrio...
E se eu sorrisse, orasse ou amasse?
Eu sorrio, oro e amo.

Aurora


Em uma bela manhã eu desisti.
Desisti de nadar em direção as rochas,
De voar contra o vento,
De amar sozinho.

Foi como um estalo,
Um estampido nos meus ouvidos.
Gritavam para eu acordar,
Mas eu estava morto.
Minha respiração dependia de outrem.

Mas aquela bela manhã.
Ô manhã reluzente!
Naquela bela manhã eu desisti de morrer
Porque eu morria sim
Dia após dia por querer quem não me queria.

Como fui certo em desistir.
Desistir do amor doado e cultivado em vão.
Desistir me fez insistir em mim.
E esse amor me faz viver dia após dia.

Algumas das imagens contidas nesse blog foram retiradas da Web. Se acaso alguma fotografia lhe pertença entre em contato e ela será removida ou receberá os devidos créditos (fica a critério do autor da imagem).


© gdeinspiracao.blogspot.com. Todos os direitos reservados. A cópia ou reprodução parcial ou total não-autorizada de qualquer obra contida nesse Blog está estritamente proíbida.

Plágio é crime!